Publicado em Deixe um comentário

Lamento Nacional de um Guerreiro – Moura Tukano

LAMENTO NACIONAL DE UM GUERREIRO, por Moura Tukano 

Ouviram do Ipiranga, às margens plácidas,
atrás das margens, gritos reprimidos por tortura,
lágrimas de um povo heróico – o brado que não retumba.
O sol da liberdade, em raios contidos,
tem vergonha de brilhar em nossa Pátria.

Se a mentira desta igualdade conseguimos demonstrar com braços mortos,
em teu seio, ó Liberdade, desafia a mortandade planejada.
Ó Pátria amada, atraiçoada, queremos te salvar!

Brasil, de um sonho intenso e pesadelo imenso.
Um raio frio de amor e de esperança, com a Terra chora.
Se, em teu fumacento céu, choroso e inerte,
a imagem do Cruzeiro, de vergonha, não aparece.
Gigante pela própria natureza!
És devastada, destruída, humilhada e fragilizada, sem amor,
ó antigo colosso, e o teu futuro espelha esse horror.
Terra adorada por poucos – somente pelos filhos da Terra.
Entre outras mil, és tu, Brasil, como as demais latino-terras
Dos filhos indignos deste solo és mãe humilhada,
Pátria amada por poucos… Brasil.

Deitado eternamente amordaçado e outros em berço esplêndido,
ao som do mar e rios poluídos, trevas que afrontam o céu profundo.
Fulguras, ó Brasil, como 3º Mundo,
como lixo da América abandonado e violado
na camuflagem que impede a chegada do sol para um novo mundo.
Do que a terra, mais varrida,
teus chorosos, tristes campos não têm flores.
Nossos bosques têm desertos,
nossa vida, no teu seio, mais horrores.

Ó Pátria amada,
idolatrada por alguns,
salve-se! Salve-se!

Brasil, de amor oculto nas florestas, seja símbolo.
O lábaro que ostentas camuflado.
E diga, ao verde-louro desbotado pela farsa,
que a Paz é possível no futuro
se os falsos filhos forem embora
para cicatrizar as chagas do passado!
Mas se ergues da justiça (clavada) verás que só os verdadeiros filhos não fogem à luta
e te cultuam nos resguardos das florestas e aldeias isoladas.
Nem teme, quem te adora de verdade, sem dinheiro, sem títulos e sem fardas.
Terra adorada!
Entre outras mil, também és saqueada e humilhada.
Dos filhos deste solo, tens vergonha dos que violam tuas entranhas,
deserdados pela força de ancestrais heróis que ora se juntam a nós – filhos autênticos – que por ti morreram e morrem, Mãe Gentil,

PÁTRIA ARMADA E AMARRADA, BRASIL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *